terça-feira, 29 de novembro de 2011

A extinção que eu não quero

Oi, pessoal!

Tudo bem?

Hoje ao sair do trabalho, dei de cara com coisinhas que não via desde muito tempo: tanajurinhas!

Todo mundo sabe o que é uma tanajura, né? É a formiga com bumbum grande e asinhas.

Lembro que na minha infância chovia tanajuras e o quintal ficava cheio delas espalhadas pelo chão, se escondendo nas árvores, tentando entrar em casa, tentando não se afogar na piscina e eu maravilhada com os bichinhos que caíam do céu. Tentava catar algumas mais abobadinhas e tudo.

Para quê? Pra nada, ué!

Essa é a graça de ser criança: saber aproveitar cada momento, sem ter motivo, razão ou objetivo para isso.

Depois de capturar algumas, era hora de deixá-las em liberdade e fazer novas prisioneiras. Depois, todo mundo era feliz, não havia feridos. E nem baixo-astral que resistisse à uma animada tarde de chuva de tanajuras! 

Hoje, não tenho mais quintal com árvores, não tenho mais piscina, não tenho mais infância.

Adulto precisa ultrapassar muitas barreiras para ficar feliz.

A conta no banco deve estar no azul.
A conta de luz deve estar paga.
O carro deve estar alinhado.
O colesterol deve estar baixo.
A glicose deve estar desejável.
Não pode faltar na reunião de condomínio.
Não pode chupar bala depois de escovar os dentes.
Não pode roer o ossinho da galinha em público que é feio.
O trabalho deve estar em dia.
As notas das crianças devem ser altas.

Ah, cansei! Ser feliz anda muito difícil, tão difícil que nem as tanajuras chovem mais por aí!

Achei que nem existiam mais tanajuras, que tinham sido extintas.

Mas descobri que extinta está minha alegria sem motivos só por estar chovendo tanajuras...
Uma pena! Fiquei adulta. rsrs

Desejo uma semana com chuva de tanajuras de felicidades para todos nós!
Beijinhos

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Em mulher não se bate SÓ com uma flor...


Oi, pessoal!

Eu sempre achei que mulher nasceu para sofrer, numa boa!

A gente descansa carregando pedras!

Desde pequenininhas, enquanto os meninos estão lá na rua brincando descalços, correndo descabelados e felizes em suas bicicletas, as menininhas estão preparando o jantar (cardápio altamente variado: pedrinhas coloridas ensopadas, folha da árvore mais próxima cozida à mineira, farofinha de terra e outras iguarias que só nós conhecemos!rsrs). E depois do jantar, ainda precisam ninar os bebês (já banhados, alimentados e com a fraldinha trocada).

E aí a gente cresce. E aquele menino descabelado e de pé sujo vira nosso marido. E a comidinha vira jantar de verdade. E o choro do bebê não acaba junto com a pilha.

Eu acho, verdadeiramente, que as mulheres merecem o céu.
(aqui não incluo criaturas tenebrosas que tacam fogo nos próprios filhos, isso é outra coisa...)

Tudo bem que tem mulher que abusa da capacidade de dar nó em pingo d'água e pisa na bola, também não podemos generalizar e misturar o joio com o trigo. Mas sabe o que eu acho? Que a maioria ainda salva as ovelhas perdidas.

Eu tenho contato com mulheres vítimas de seus próprios companheiros, e simplesmente não consigo me acostumar, achar normal.

Gosta de levar um tapa, se amarra numa sacudida mais enérgica? Eu respeito suas opções numa boa, desde que esteja tudo bem prá você!!

Agora sabe o que eu não respeito? É mulher que apanha até não poder mais, na frente de seus filhos pequenos, que muitas vezes entram na pancadaria por tabela, e depois me aparecem chorando as pitangas porque os maridos estão presos.

Dá vontade sabe de quê? De perguntar se elas estão com dificuldade para dormir sem levar o tabefe noturno habitual. É, porque devem ter apanhado pouco pra não aprender que isso não é amor, é violência!

E hoje, quero deixar meu protesto contra todos os machões de plantão que acham que batendo em mulheres estão mostrando quem manda.

E deixo também meu apoio às mulheres que denunciam e não se submetem a esse absurdo, e PROVAM quem usa calças na relação!

Beijinhos a todos! 

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Nem só de vitórias vive uma blogueira...

Oi, pessoal!

Bom, todo mundo gosta de exibir suas conquistas, divulgar suas vitórias, alardear suas glórias. Eu também.

Maaaas, acho (de coração!) que as histórias mais incríveis são as sem-noção.

Logo: vim dividir uma pérola da minha coleção de derrotas!

Vocês estão carecas de saber que meu verão está por um fio! Meu Projeto Verão Sem Canga 2012 está cada vez mais defasado e isso me preocupa...vou ter que ir à praia de cinta por baixo do maiô e não vou comer nem uma empadinha de queijo. Só picolé de limão (dizem que limão emagrece, vambora testar!rs) e olhe lá!

Pois bem, na semana passada, fui participar de uma atividade em outra unidade do meu amado serviço. Lá chegando, encontrei pessoinhas que não via desde 1915!

Eis que, no auge da minha atualização da fofoca com uma coleguinha, aparece uma criatura surgida das profundezas do domínio do inimigo (não fala o nome que atrai, como vovó me ensinou!).

A criatura me olha, eu olho para a criatura.

(eu) - Oi! Tudo bem com você?
(criatura) - Tudo bem! E essa barriguinha?
(eu) - hã?
(criatura) - Essa barriguinha é pra quando?
(eu) - Para sempre! Estou gorda, não grávida!
***** interrompendo esse desabafo para uma dica que a Gloria Kalil deveria apresentar no Fantástico: esse era o momento dele pedir desculpas, implorar meu perdão e sair arrasado!!!Mas não foi o que aconteceu...*****
(criatura) - Ah, pensei que vinha um bebêzinho por aí!!!
(eu) - ...
(eu) - ...(obviamente fuzilando a criatura com meu olhar 43 - ou melhor: 40 para aproveitar o número da calça!rsrsrs)
(eu) - Tchau, hein!

Agora tá decidido: não ando mais em pé em ônibus nem enfrento fila nenhuma! É o mínimo que o universo pode fazer para me recompensar desse trauma sem tamanho (opa, vamos deixar esse negócio de tamanho prá lá, combinado?rs).

Beijinhos tamanho EXG para todos!  

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Coisas de verdade


Oi, pessoal!

Tudo bem com vocês?

Essa semana se arrastou feito um trem movido à jegue! Caramba, parecia que não ia acabar nunca, gente! Tanto trabalho, tanta obra em casa, tanta coisa pra fazer e tanto tempo faltando...mas vamos que vamos!

Talvez (com certeza, pra falar a verdade) por estar tão cheia de coisas na cabeça esses dias, meu copo já transbordante de paciência entornou!

E como é sempre culpa da última gota, o desastre se deu por uma coisa até boba, que nos cerca sempre.

A melhor definição para a minha irritação cabe em uma palavra (se é que isso é uma palavra de verdade!rs): Nhenhenhém!

- Sabe aquela colega de trabalho enjoada que você evita até no corredor senão são horas de aluguel da sua orelha?
- Sabe aquele conhecido que sempre tem um 'favorzinho' para pedir, que basta te ver para pedir para trocar uma ideia? (detalhe: a 'troca' eu espero até hoje, porque só eu compartilho...mas tudo bem!)
- Sabe aquela 'amigona' que só lembra de você para afogar as mágoas? (as dela, claro!)

Pois bem, essas conversinhas que a gente tem que aturar em nome da boa vizinhança cansaram minha paciência!

Minha 'vizinhança' é péssima, e eu estou partindo para ser uma 'vizinha' do jeitinho que eles merecem!

Quero conversas de verdade. Quero gente de verdade. Quero ser de verdade!

Portanto, quero que dêem à Fá só o que é da Fá.

O resto...ah, me poupa, vai!

Beijinhos muito felizes e agradecidos porque aqui só tem gente bacana! Eba!!

Tenham um lindo fim de semana! E malas - só se for pra viajar!

domingo, 13 de novembro de 2011

Um conselho sábio

Olá, pessoal!
O post hoje é para a mulherada. Esse é um sábio conselho que deve ser transmitido às futuras gerações de mulheres, não pode ficar esquecido!!! É uma responsabilidade tremenda!
Leiam com atenção!

Não importa o quanto ele seja atlético...


Não importa o quanto ele seja fofo...


Não importa o quanto ele seja forte...


Não importa o quanto ele seja charmoso...


Não importa o quanto ele seja irresistível...
 

Não importa o quanto ele seja romântico...


Não importa que ele tenha uma boa pegada...


Não importa se ele é tão sexy... 


...então...
...huummm...
...Ih, não é que eu esqueci a porcaria do conselho?!?
kkkkkkkkkkkkkkk

Só para animar, pessoal!
Beijinhos!

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Cultivar, cultivar e cultivar

Oi, docinhos!

Tudo bem com vocês? Espero que tudo lindo como o céu azul que tem feito esses dias (e eu aqui, lutando para manter meu bronzeado morena-escritório)!!!

Sempre dei muito valor às amizades, mas em certo ponto da vida, achava que não precisava me esforçar nadinha para que tudo ficasse sempre bem. Nem sempre funcionou deixar a vida fluir sem uma ajudinha...até que eu mudei!

Hoje, com a maturidade, eu vejo que é importante um esforço para estar presente, não basta carregar alguém no seu coração. Às vezes um abraço é necessário!
Não é mais suficiente para mim sentir preocupação por algum amigo sem ao menos telefonar para ele ao fim do dia e saber notícias.

Não serve mais ser a amiga acomodada! 

Amizade é uma das plantinhas mais fortes que eu já vi. Mas precisa ser bem cuidada. Se a gente consegue suprir as necessidades dela, é florada garantida!
É a firmeza das raízes que garante a linda árvore que nos dará sombra sempre que a gente estiver com a cabeça quente, que nos abrigará de chuvas intensas muitas vezes recebendo a maior parte do aguaceiro, deixando chegar até nós apenas umas gotinhas de nada...

Por isso me alegra ter me esforçado. Porque hoje colho os frutos de amizades antigas, fortes, belas e que me fazem tão feliz! E o que antes eu achava que era esforço, não é nadinha! É só impressão!

Cultivar um blog não é simples, e por vezes eu penso em parar por achar que não consigo mantê-lo tão bem quanto eu gostaria. Mas aí recebo um e-mail carinhoso, um telefonema querido, uma cartinha linda...e recomeço a semear a vida!

Curtam bastante seus amigos nesse feriadão! Eu pretendo curtir os meus, sempre!

Beijinhos a todos e um lindo fim de semana!

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Por fora, bela viola...


Bom dia, pessoinhas!

Dia desses estava lendo uma  notícia que me fez pensar muito.

Um 'empresário', aparentemente bem sucedido, resolveu ampliar seus negócios e abriu uma confecção de roupas. Contratou costureiras, cortadores, comprou todas as máquinas necessárias, legalizou sua firma e tudo mais.

Até aí vocês, como eu, podem estar pensando: ah, que legal! Mais um trabalhador empreendedor na área!

Sim, trabalhar ele trabalhava, mas errado!

O cara aproveitou sua estrutura e migrou de setor, atravessando a linha do bom trabalho e indo parar na ilegalidade. E a ilegalidade mais idiota que existe (na minha opinião!): falsificando produtos de marcas famosas.

Isso me fez pensar em tanta gente que acha o máximo ir aos centros de comércio popular e voltar abafando com uma bolsa 'Victor Hurugo', uma carteira 'Luiz Vuitton', e agora no auge da moda: um relógio 'Mikael Kors'.

Ah, quanta bobagem! Se a gente gosta de um vestido lindo, interessa m-e-s-m-o se ele é de alguma marca caríssima ou feito por uma costureira talentosa do bairro? Prá mim não importa não!

Não tenho nada contra quem não compra coisas caras, por não ter grana ou vontade para tal. Também não sou nada contra quem compra coisas caríssimas porque achou bonito. Dinheiro é pra isso mesmo! Cada um sabe o que seu bolso quer, e pode! Quer parcelar em 200x no cartão? Vai nessa, desde que pague as parcelas! rsrs

Eu, honestamente, não tenho grandes encantos por nada que seja caro pelo simples fato de ser caro! Gosto de coisas bonitas, que me deixem contente. Se vai ser caro ou barato, aí já são outros 500!

Gente que gosta de comprar só o que é caro para se afirmar, parece coisa de gato que faz xixi para demarcar território.

Gosto mais do critério de seleção pelo que as pessoas são, não pelo que possuem. Muito mais eficiente, né?

Beijinhos a todos!

terça-feira, 1 de novembro de 2011

Preconceito do preconceito!

Oi, pessoal!
Nesses tempos enjoados de tudo tão politicamente correto, descobri algo em mim que jurava não ter: tenho preconceito!
Sim, um preconceito enorme, gigante, que me diminuiu ao tamanho de uma ervilhinha. Tenho preconceito contra pessoas preconceituosas!
Apareceu uma mulher muito mala sem alça para ser atendida lá no meu trabalho, com um problema enorme, segundo ela mesma: sem solução!
Percebemos nos primeiros segundos que ela é protestante, porque ela não conseguia terminar uma frase sem declarar 'eu sou evangélica'. Todos os outros envolvidos estavam errados, porque estavam agindo contra uma 'evangélica'. Ah, sim, porque segundo a moça, os 'evangélicos' são superiores aos demais.
E lá se foi um tempão ouvindo a ladainha da mulher, que tinha problemas com a vizinhança. Mas lembrando sempre que ela estava certa, porque era 'evangélica', e a vizinhança toda errada porque ainda não tinha conhecido Jesus.
Fiquei pensando: pôxa, de acordo com o julgamento dela, eu também não conheço! Não sou melhor ou pior do que ninguém por ser católica. 
E conversa vai, conversa vem, a chata da mulher me cansou com essa coisa ridícula a tal ponto que eu não conseguia olhar para a cara dela!
O tiro de misericórdia na minha paciência foi quando ela declarou que achava que as vizinhas envolvidas no processo eram 'macumbeiras', e virou pra mim e falou: "Ah, elas são macumbeiras. Aí você sabe como é, né?"
Não, eu não sei...eu sei o que é gente chata, mentirosa, sem educação. Independente de credo!
O que eu sei é que depois disso, ficou comprovado que a problemática da questão era a própria mulher protestante insuportável. Tudo bem que Jesus não agradou a todo mundo, mas se ele desagradasse a todos, seria estranho, não?
Pois bem, a infeliz é unanimidade negativa na própria rua!
E a partir de então eu simplesmente percebi que tenho um pé atrás (os dois, na verdade) com pessoas mais interessadas em proclamar superioridade religiosa do que resolver seus problemas.
Chegou para ser atendido e começou a falar que é protestante, eu passo a vez! Traumatizei e agora já acho que a pessoa está errada, nem que seja pela falta de respeito com os demais.
Meu preconceito se instalou instantaneamente!
Beijinhos a todos!