domingo, 26 de setembro de 2010

Família ê, família ah, famíííília...rsrs


Viver em família não é bolinho não, minha gente!
Tem que ter jogo de cintura e, segundo meu avô: um bom par de ouvidos de mercador (seja lá o que for isso - já deu pra perceber que esse item veio faltando na minha confecção!rs).
É inevitável a comparação com a família alheia. Aquela história de que a grama do vizinho é sempre mais verde. Acredito que isso é porque estamos olhando de longe.
De pertinho toda família é igual. Gostamos mais de passear com a família dos outros porque não somos um deles, e seremos tratados com a mínima cerimônia, afinal, é esse o motivo da gente voltar. Pra nossa família não, somos apenas mais uma bolacha no pacote, e pronto.
Temos laços que permitem que a cerimônia vá para o espaço. Favor não confundir cerimônia com educação, pelamordedeus!
Adoro observar as diferenças entre os 'meus' e saber que isso nos completa.
Sempre ouço dizer que irmãos são flores do mesmo jardim (com todo respeito ao meu irmão, que provavelmente não vai gostar de se sentir uma florzinha!haha), e discordo completamente!
Eu só tenho um irmão, e é incrível como somos diferentes. Fisicamente até.
Nosso temperamento é diferente. Eu sou extrovertida, tagarela, sorridente, agitada, animada, bem resolvida; enquanto ele é quieto, pensativo, tranquilo, cansado (de nascença) e empacado em qualquer grão de areia que apareça no caminho.
Tenho muita dificuldade em entender o porquê de tanta dificuldade que as pessoas constróem!
Poxa, apareceu um elefante na sua frente? Vambora ver o que dá pra fazer. Pula, dá a volta, dá uns gritos com o bicho, sei lá! Mas meu irmão, não! Vai perder 2 meses tentando imaginar porque o elefante foi parar logo no caminho dele, mais 3 meses reclamando que essas coisas só acontecem com ele, depois mais uns 4 meses até se convencer de que se o elefante parou ali é um sinal de que ele tem que parar também. E aí ele senta ao lado do elefante e espera a vida passar.
Fala sério...isso me mata! No meio desse processo (que eu juro que tento com todas as forças não interferir, pra ver se ele se coça e vive!), eu perco a paciência com ele, com o elefante, com Clara e Ana, dou um chega pra lá no paquiderme, tudo se resolve (pra mim, obviamente) e a vida segue.
Até outro elefante aparecer e ele(s) voltarem a torrar meu saco.
Eu sei que até agora só citei coisas ruins na diferença, mas ela tem seu lado positivo.
Meu pai é o rei da encrenca. Consegue se enfiar em cada furada que eu vou te contar...inventa de ajudar fulano, ciclano, o primo de fulano, o bisneto de ciclano...e sobra pra gente. É um tal de aparecer com carteira de trabalho velha pra gente descobrir se o bendito tem algum direito trabalhista pra receber, ou então um primo perdido (dele, que eu nem conheço!rs) querendo informações sobre PIS, ou uma ex-empregada de um conhecido querendo conselho jurídico para o divórcio da filha...somos a Família SAC (Serviço de Atendimento ao Conhecido!).
E meu irmão é uma ovelha. Se meu pai pedir ele vira cambalhota! E leva a carteira de trabalho do ilustre desconhecido e investiga até a oitava geração do sujeito. Tudo bem que meu pai tem que ligar 3x por dia, senão ele esquece, mas não vamos tirar o mérito do menino!
Meu irmão é uma pessoa inteligentíssima, das maiores que eu conheço, então se eu quero alguma informação que tô sem tempo ou saco pra procurar, ele é o cara!rsrs
Acho que se todo mundo fosse igual a ele, minha família seria muito chata e se falaria só no Natal (a cada 3 anos). Acho também que se todo mundo fosse igual a mim, minha família seria muito chata e teria encrenca todo Natal.
Cobrar menos, aceitar mais, amar sempre!

Essa é a receita que dá certo aqui na minha casa. Somos diferentes (água e óleo) e nos completamos.

Família a gente não escolhe. Ainda bem!

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

O casamento! Finalmente...

Oi, pessoal!
Milhões de desculpas pela demora das fotos, mas os noivos estavam com minha câmera.
Vamos lá! Graças a Deus deu tudo certo, todo mundo comeu bastante, ficou satisfeito e feliz em participar desse momento tão importante da nossa família.
Para quem não lembra, o casamento foi realizado com 1 mês de preparo, e todo mundo usando as horas vagas para organizar os detalhes (Namorado foi o salvador da Pátria, carregou tanto peso, tadinho...). Claro que tivemos que improvisar e nos virar nos 30, pela falta de tempo, espaço e jeito. Mas serviu pra dar aquela animada básica que só a correria faz! hahaha
Lembra que eu contei que a noiva atrasou mais do que relógio made in china? Pois bem, todo mundo ficou mega enrolado, inclusive o noivo! Duvida? Olha aí:



Os preparativos de um casamento são sempre muito legais, mas cansam quando a gente tá lutando contra o tempo e tem que se virar pra fazer tudo não importa como. Eu, por exemplo, fui sozinha, de ônibus buscar as roupas de todo mundo (em 3 lugares diferentes!). No final do dia, meu braço já estava pra lá de Bagdá. E nem preciso lembrar que um vestido de noiva pesa pra danar!!! O Bouquet também me cansou. Fui segurando o dito-cujo por mais ou menos duas horas e inalando mais pólen do que uma abelha faria a vida inteira...hahaha



No fim das contas, tudo terminou bem. Casados! Ufa...
Fomos almoçar uma comidinha gostosa e celebrar com os amigos (e com umas tacinhas de vinho, pq eu não sou de ferro). Ah, esqueci de contar uma coisa!!! A família da noiva é evangélica (e meu irmão tá se sentindo 'arrebatado', vai entender!), mas eu-particularmente- nem dei importância e tomei meu vinho feliz da vida! Só fiquei preocupada em passar na tal pontezinha depois, mas estou aqui! hihihi
O almoço foi no terraço dos avós da noiva. O espaço era pouco, mas a vontade de comemorar (e à essa altura a fome tb) era enorme. As mesinhas ficaram uma graça! Com toalhas de cetim lilás, e arranjos de flores do campo.



Os docinhos ficaram uma lindeza só! E um mais gostoso que o outro. Como eu não sou boba nem nada, fiz o test-drive em todas as massas. Antes e depois de modelar, só por garantia. O que eu não faço pelo bem dos outros... :)
Eu fiz os doces sozinha, acreditam? Sabe aquele filme Tempos Modernos do Chaplin, que ele sai do trabalho e continua apertando parafusos pelo ar? Eu passei uma semana enrolando vento tb...hahaha
Confesso que fiquei muito cansada, mas com organização, tudo dá certo. Fazia as massas à noite e enrolava na manhã seguinte. Comprei caixas de pizza (grandes, de papelão), e arrumei todos os doces ali. A altura foi perfeita e ficou muito mais prático pra transportar do que 657484 tupperwares!
Eis meus docinhos:



Os bem-casados foram comprados prontos, e são esses pacotinhos roxinhos que estão espalhados pela mesa. Acreditam que eu não comi bolo??? Em compensação, enfiei o pé nos bem-casados, que eram brownies com nozes. NHAMMM!
Como vocês podem perceber, final feliz! Na verdade é um começo...rsrs



Agora, o momento mais lindo de todos!!! Meu vestido!
Reparem no meu par, por favor, e me digam se não me dei bem:



Espero que vcs me perdoem pela demora...prometo que não faço mais isso! hehehe
beijinhos!

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Vergonha!

Oi pra todo mundo!

Parece que os comentários ficaram travados essa semana, né! Mas recebi todos os e-mails e aceito todas as broncas, porque confesso que ainda não respondi nenhum...rsrs
Falta de tempo, gente, relevem!

Bom, mas vamos ao que interessa: O CASAMENTO!

Para começar, lembra quando eu disse 'Casar cansa'? Era mentira. Casar cansa muuuuuuito!
Vocês não podem imaginar o trapo de gente que eu fiquei por conta desse casamento. Cansada até o último fio de cabelo (que por sinal foi devidamente pintado para a ocasião!rs).
Carregar peso não faz parte da minha natureza, confirmado! Mas, como 'quem tem tu manda tu, e quem não tem vai tu mesmo', tive que carregar coisas pra lá e pra cá o tempo todo.
Juro que me senti participando daquelas Olimpíadas do Faustão (ainda tem isso?), andando por uma ponte da largura de uma cadeira, em cima de um riachinho, com apenas corrimão de um lado, de salto alto, com uma caixa de taças na mão. E a vencedora é: Fátima!
Claro que a pior parte ficou para os mocinhos, que fizeram o trajeto com as caixas de pratos! Não sou tão boba assim, né!
Enfim, depois de tudo em seu devido lugarzinho, fomos dormir quase de madrugada.
Meu irmão queria ficar de papo, mas não dei confiança e deve ter acabado sobrando para a noiva ficar aturando o tagarela a noite inteira falando sobre a morte da bezerra. Eu, hein!?!
Acordamos super cedo, minha sobrinha com um fogo comparado ao rabo de um foguete, e fomos tomar café da manhã pra começar o dia.
O noivo: ataque de riso que já estava me dando nos nervos. Não conseguia parar de rir. Incluí na lista comprar um Rivotril pra ele, senão o pastor ia achar que ele tava com algum encosto e não ia prestar...
A noiva: dor de barriga.
A madrinha: em pânico imaginando se tudo ia dar certo.
A cozinheira: para aumentar o meu pânico, inventou de chegar atrasada! Eu já estava repassando a receita de estrogonofe na cabeça. Sim, eu seria o plano B.
As crianças: frenéticas.
A hora foi passando e o que acontece? Ajudar que é bom ninguém quer, mas pra atrapalhar...sai gente pelo ladrão!
Meu pai chegou na casa do meu irmão sem estar pronto ainda (e essa era a única tarefa dele!), duas madrinhas chegaram pra se arrumar lá também, só que esqueceram de avisar. Ou seja: atrapalharam totalmente. Felizmente uma é um amor de pessoa, mas a outra...*respira*
Enquanto a cabeleireira ia enrolando as madeixas da noiva, fui arrumando as crianças. Ficaram tão lindas!!! NHAM! Vontade de morder todas elas!
A hora foi passando mais ainda...e a noiva não ficava pronta. O noivo já estava tendo um troço, arrumei o boneco e despachei pra igreja. Menos um pra apurrinhar! rsrs
A noiva terminou a maquiagem e o penteado, vamos entrar no vestido.
O QUÊÊÊÊÊ?????????
Não fecha!!!!!!!!!!!
Aperta, espreme, puxa, prende a respiração...nada. Eu já tava suando e tremendo (e a noiva já estava atrasada!)
Joga a noiva na cama, senta em cima e aperta com toda a força: ufa, fechou! kkkkkkk
Agora sim. Tudo certo. Vamos para a igreja?
Não, porque as benditas madrinhas que chegaram sem convite e aviso não estão prontas. Onde já se viu um absurdo desses? As madrinhas folgadas atrasando o casamento. Primeiro chilique do dia. Dei um grito com todo mundo, avisei que estávamos indo pra igreja e quem não chegasse não chegou.
A noiva entrou no carro, empunhou seu bouquet e partimos felizes e nervosos para a igreja.
(...)
continua, assim que eu voltar do trabalho. Não me matem! hehehehe
As fotos também vão aparecer, assim que os noivos devolverem a minha máquina! :)
bjs a todos!