quinta-feira, 29 de abril de 2010

Nem tudo que reluz...


Oi, docinhos!
Estava dando uma passeadinha básica pelas (in)utilidades da net e me deparei com um anúncio pequeninho no rodapé de uma página. Pronto, foi o bastante para aguçar minha veia investigativa e não sosseguei até descobrir tudinho!
Valeu a busca, porque simplesmente amei o resultado!
Adivinha o que era? A nova campanha da Louis Vuitton!!!
As modelos que iriam participar do desfile foram fotografadas em fotos 3x4, fundo branco, sem maquiagem e despenteadas! Sim, a mesma sacanagem que fazem com nossos documentos...hehe
É incrível, até as mais famosas ficaram quase irreconhecíveis!
Toda mulher levanta de vez em quando com o pé esquerdo, se achando a bolacha mais amassada do pacote, com a juba indomável, olheiras até o queixo, pálpebras inchadas e tudo o que temos direito. Pois bem, somos normais, gatas!
Essa foto vai ser impressa imediatamente e colada no meu espelho, assim quando eu estiver prá baixo com a minha imagem, é só olhar e lembrar que não estou sozinha!
Cá entre nós, se a Alessandra Ambrósio é assim, nós podemos também!
Luxo total!!!
hahahaha
Beijinhos
Vou agora mesmo renovar meu estoque de makes para ficar linda também! #acreditarsempre!

domingo, 25 de abril de 2010

Tudo novo de novo...


Feriadão acabou :(

Agora é a volta à maratona de começo de semana, com o agravante de ter milhares de carros a mais na sua frente, te impedindo cruelmente de chegar ao bendito trabalho...ninguém merece!


O que mais me irrita desde sempre é estar num engarrafamento infernal, pensando em toneladas de coisas que estão esperando para cair sobre a sua cabeça no trabalho, que você provavelmente nem vai dar conta até que o próximo feriado chegue, e quando olhamos para o lado sempre tem aquele carro clássico da família que viaja junto e resolve voltar beeem na hora que as pessoas têm que ir para o trabalho...

Tudo bem, não posso atirar pedras na farofa alheia, aliás, pouca gente pode, hein! Eu já viajei em carro lotado de criança, colchonete, ventilador, travesseiro, bicicleta e tudo mais.

Putz, vai ver que essa minha revolta com os carros que vejo na verdade é despeito puro! Freud deve explicar...

Uma vez voltei de uma viagem de família numa caminhonete, dessas com a caçamba coberta. Éramos 5 crianças, e acho que numa aposta perdida, meu pai teve que ir tomando conta da gente sentadinho por umas 2 horas na bendita caçamba, que mal cabia a gente...

*Preciso interromper essa memória para mandar um salve para o meu Papyto e sua paciência master*

Pode imaginar coisa pior? Acredite, existe: eu tinha acabado de ganhar um kit de instrumentos musicais, e como sou muito gente fina, emprestei 1 instrumento para cada primo e viemos a viagem toda tocando todos juntos! Eu devia ter uns 6 anos, e era todo mundo mais ou menos da minha idade, então imagina como ficou? Quase uma Orquestra Sinfônica Mirim...

(Fala se meu pai não mereceu o 'salve'???)

Ai, ai, bons tempos.

Acho que nunca mais me diverti tanto num engarrafamento. Vou olhar para os carros dos outros com menos raiva depois disso.

Bom engarrafamento a todos!

Beijinhos

Eu tocava o trompete e a clarineta, e meu irmão não queria emprestado porque tinha nojo. Meninos, blérgh!

quarta-feira, 21 de abril de 2010

E por falar em mudança...


Aqui no Rio de Janeiro, sexta-feira é dia de São Jorge, então vamos aproveitar e enforcar (sem associações infames, please!) com o feriado de Tiradentes, afinal carioca adora um feriado!

E quando tem sol, então...delícia!

Aproveitando a folga, que tal transformar o ócio em criatividade? Eu vi no blog luxo-máaaaster da Mari Mello um post sobre cabelos de noivas (que com toda a certeza deixaram a lua-de-mel prá lá de derrubada - sem trocadilhos, ok!), então quando me deparei com esse penteado super básico, precisei colocar aqui.

Como vocês podem ver, é simples, moderno e bem comum, desses que a gente vê a toda hora.

Mari, dedico esse achado capilar a você!

E prá quem ainda não conhece o blog da Mari, já fique sabendo que está perdendo e muito!


Como as menininhas queridas que andam por esse blog (que ainda é um bebê) são muito assanhadinhas, acho que vou acabar criando um 'brincando de médico'...hahaha

Visitem a casinha da Mari e depois me contem se gostaram. Lembrem-se das dicas da Sissi (http://sissi-cafesociety.blogspot.com/) e sejam educadinhas, hein!

beijinhos
Dúvida inclemente sobre cortes de cabelo andam me perseguindo. Oh, e agora, quem poderá me defender?rs

segunda-feira, 19 de abril de 2010

Mudar faz bem!

Oi, docinhos!
Primeiro queria agradecer de coração aos vários e-mails que estou recebendo, e dizer que mesmo os 'sem blog' podem comentar, mas por favor, coloquem o nomezinho para eu ficar feliz e saber quem é você!
Hoje queria fofocar sobre algo muito difícil, mas que é o nosso cartão de visitas: nossa imagem!
Tudo bem que eu gostaria de ter uma Glorinha Kalil aqui dentro do armário pra se recusar a entregar certas peças que eu teimo em achar que combinam, mas como ela se nega terminantemente a vir morar aqui no meu humilde guarda-roupa (acho que vou construir um closet, aí posso acomodá-la melhor!), achei essas dicas no acessa.com, e quis compartilhar com vocês, periquitinhas do meu coração.

1 - Defina-se!
É um dos conselhos mais antigos, "diga como você anda que eu lhe direi quem tu és". Feita as adaptações, o ditado é simples: quem você é? Qual sua idade? E profissão? Onde você mora e onde você costuma viajar? Que lugares freqüenta? Um estilo bem resolvido é construído com base em dois pilares. Estilo de vida e biotipo. Quando você define se é clássico, retro, romântico, ou uma mistura desses. Fará compra certeiras.
(Definir não é limitar, por favor!!! Você pode ser básica durante o expediente, romântica durante a noite e fazer o estilo mulher gato nos fins de semana!)

2 - Memorize!

Monte um mural com imagens que você gosta de catálogos ou revistas, as idéias não vêm do nada, é preciso alimentar a criatividade. À medida que o tempo passa e você adiciona novas fotos percebe como o seu gosto vai mudando.
(Confesso que tinha uma dúvida na adolescência: como a esposa do Bon Jovi - EU, obviamente - deveria se vestir para acompanhar as turnês! Dilema resolvido: desisti de casar com ele por causa disso! #sonhamesmo)

3 - Limpe!
Dê aquela geral no seu guarda-roupa. Tire tudo e reavalie cada roupa que lhe cai bem e o que não lhe servir mais, doe tudo. Este passo ajuda a enterrar a pessoa que você não é mais.
(Vamos aproveitar que o frio está chegando e vamos doar aquelas roupas que não usamos mais! Criar espaço para coisas novas chegarem na nossa vida é fundamental!)

4 - Recheie!
Toda mulher deve ter peças coringas. São as peças mais importantes do seu guarda-roupa. 1 vestido, 1 terno, tricôs (de gola V, canoa e rulê), 1 camisa branca, 1 scarpim, 1 bota, 1 sandália fina de salto, 1 rasteira, 1 jeans, 1 jaqueta, 1 bolsa de cor neutra. Considere todas as áreas de sua vida, do trabalho ao lazer.
(G-Zuis! Só isso? Eu quero milhares de sapatos...)

5 - Ame e ame-se!
Não guarde roupas e acessórios que você gosta pouco ou mais ou menos. Você tem que amar a roupa, pois só assim terá a sensação de segurança. Um jeito de medir o impacto da produção são os elogios que você receber.
(Tá valendo até passar em frente daquela construção prá ver se o look agradou a massa!kkkk)

6 - Compre o necessário!
Não caia na tentação de comprar por impulso ou porque está na promoção, você pode se arrepender, como quem quebra uma dieta comendo uma caixa de chocolates. Saiba exatamente o que você precisa, caro ou em conta, necessário ou mimo.
(Na TPM, queira por favor ignorar esse tópico. Excessos são toleráveis e bem-vindos)

7 - Liberte-se!
Estilo é liberdade. Não se censure se tiver vontade de vestir algo que a moral fashion condena. Mas cuidado com os exageros.
(Não se reprima, não se reprima...G-Zuis (2)!!)

8 - Misture!
Mas nem tanto, muitas grifes juntas matam a produção, não adianta se esconder atrás de looks assinadíssimos, pois estilo independe de etiqueta. O melhor é dar o papel principal a uma ou duas peças do look.
(Não pode parecer que cada peça da sua vestimenta foi doada por um parente diferente!)

9 - Balanceie!
Ter estilo é saber renunciar as tendências que não são para você. Os comprimentos que não se adaptam ou as cores que não combinam com seu tom de pele.

10 - Renuncie!
Definitivamente, estilo não é eterno, ele reflete um momento de sua vida e toda vez que você muda de casa, emprego, namorado é natural que sua imagem se transforme também. Por isso dê boas vindas às mudanças.

Agora diz a verdade, se seguir esses mandamentos não são muito mais difíceis para quem trabalha, estuda, lava, passa, arruma, cozinha, namora, cuida de filho...mas que é muito bom construir nossa identidade é, né! De vez em quando também é bom dar uma de Clark Kent. Adoro sair de tênis, calça jeans e camiseta básica, é meu disfarce! hihihi

Boas compritchas a todas!
beijinhos

Eu queria ter um closet igual ao da Sarah Jessica Parker em Sex and The City-O filme. *suspiros*

sexta-feira, 16 de abril de 2010

Volta, Raj!!!!


Não sou lá muito de acompanhar novelas. Adoro TV, de todo o coração, e acho isso uma pena.


Gosto do barulhinho (menos da musiquinha do Plantão, que me arrepia!), das imagens, das cores...é uma companhia. Tudo bem, na maioria das vezes é uma péssima companhia, eu sei.


Quando chego em casa e vejo que estou sozinha, a primeira coisa que faço é ligar a TV ou o rádio (quando não ligo tudo ao mesmo tempo, ô carência danada!!).


Não gosto de novela por um motivo muito simples e nobre: deseduca!


Isso mesmo, desculpe quem gosta, mas não aprendi que ser malvado compensa, não aprendi que é certo tramar tudo escondido, que é certo mentir, e o pior, que família acaba mesmo, e é só formar outra, nas coxas, e juntar os meus, os seus e os nossos. Simples assim!


Casamento duradouro? Nem casamento de protagonistas dura muitos capítulos, que dirá até o final feliz!!!


Por essas e outras que tenho total pavor da novela das 8 (que agora é das 9...).

Fala sério, gente, tem coisa mais irritante do que aquele José Mayer fazendo carinha de safado para t-o-d-a-s as personagens femininas?!? E acho que se não tiver mais nenhuma personagem feminina ele vai virar gay no mesmo capítulo, só para o Ibope não cair.

E não adianta, é só aparecer uma donzela indefesa (nem sempre...) e pronto: shimbalaiê nela!


Tudo é muito normal, banalizado. Todo mundo tem filho com todo mundo, todo mundo pega todo mundo, quem bebe, beeeeeebe, quem é chato é muuuuuuito chato...enfim, esses exageros made in Leblon não fazem minha cabeça e não prendem minha atenção.


Por isso eu sinto saudades do Raj. Aquele sim, era marido de verdade! Mesmo apaixonado pela firangue estrangeira não traiu sua esposa. Honrou seu casamento, sua palavra, sim, porque quando se casa se promete respeito, fidelidade, compromisso (acreditem, a nova regra ortográfica não extinguiu essa palavra!). Ainda por cima era lindo e educado! E enchia a esposa de jóias!


Não se faz mais marido como antigamente! E nem protagonista de novela.


Volta Raj!! #prontofalei

Fá queria tanto um sári cor de rosa...hare baba!

segunda-feira, 12 de abril de 2010

Bem me quer, mal me quer?

"Querer bem não tem beiradas"
Guimarães Rosa
Querer bem não tem beiradas, não tem início, meio e não deveria ter fim!
Querer bem faz bem profundo, é querer que algo toque bem na alma.
Bem, querer nem sempre é instantâneo, por vezes tem que se construir os quereres, tem que começar pelas beiradas, de fato.
Não é fácil, mas é um exercício bom.
A cada dia um passinho, um carinho, e quando se vê, já se quer bem. Ou não.
Não há meio termo em certas questões. Quanto mais inexata a questão, menos espaço para as certezas cartesianas e definitivas.
Alguém explica o porquê de um dia sorrirmos ao ver o sol se pôr e no dia seguinte a repetição do espetáculo marejar nossos olhos? Não! Ainda bem, as certezas limitam
Tudo que define acaba limitando. Por isso eu prefiro as incertezas, as novidades, as descobertas. As de dentro prá fora, as de fora prá dentro, as próprias ou alheias. Elas possibilitam o mundo continuar girando.
Se o mundo tivesse mais gente praticando o bem querer, aaahhhh, seríamos tão mais felizes! Até quando vamos nos preocupar com as coisas meramente práticas e esquecer as que realmente importam?
Eu sei que esses momentos devaneios não alcançam a todos, mas a mim tocam e exigem.
Eu decidi: bem eu quero, sempre!
Beijinhos felizes e floridos!
Eu gostaria de ser uma margarida de verdade, e sempre teria pétalas só para bem-me-quer!

quinta-feira, 8 de abril de 2010

Mas só chove, chove...


"A toda hora rola uma história

a que é preciso estar atento.

A todo instante rola um movimento

que muda o rumo dos ventos.

Quem sabe remar não estranha.

Vem chegando a luz de um novo dia

O jeito é tirar um novo samba

sem rasgar a velha fantasia" Paulinho da Viola


Gente, primeiro desculpem a demora em aparecer, mas a vida não andou muito fácil nesses últimos tempos.

Mas nada comparado à tristeza de perder uma casa, um amigo, um amor...

Que situação absurda e desesperadora essa de acompanhar as perdas e o sofrimento de nossos irmãos que estão perdendo tudo que batalham tanto para conseguir e em questão de segundos, já acabou.

Pior ainda aqueles que perderam coisas que não vão ter condições de recuperar jamais: a vida!

Sou aqui do Rio de Janeiro, e estamos todos unidos à dor desssas pessoas que num piscar de olhos se viram em meio ao caos.

Chuva, terra, rachaduras, deslizamentos, fim.

Lógico que não podemos esquecer das questões práticas, como as autoridades não terem atuado satisfatoriamente em impedir o crescimento de habitações em locais inadequados, dos próprios habitantes dessas áreas de risco aceitarem viver e construir suas casas em condições temerárias, mas nesse momento, a comoção é maior do que qualquer reprimenda possível.

Já passam de 100 vidas perdidas, desperdiçadas, descartadas, lavadas com a água que não cansa de cair.

Tomara Deus que esse número pare de crescer e que as águas inclementes parem de cair por hora.

Eu me peguei tentando imaginar uma família que tenha perdido tudo nesses desmoronamentos, mas simplesmente desisti, porque sei que é completamente impossível.

Às vezes ficamos revoltados quando perdemos algum objeto que nos é caro, seja por quem nos presenteou, por onde o adquirimos, qual seu significado...imaginem sair para trabalhar e voltar para sua casa e simplesmente descobrir que não há mais casa!!! É uma situação tão surreal que para mim é inimaginável.

Meus sinceros sentimentos estão com aquelas pessoas que nesse momento; em que eu estou bem alimentada, agasalhada, sob meu teto escrevendo esse texto, estão debaixo da chuva com ouvidos atentos a um possível e milagroso chamado que pode restaurar uma família e vários corações.

Doces beijinhos a todos!




Fá tem muuuuuito medo de enchentes! Talvez por sua falta de coordenação motora e seus óculos tão embaçáveis...